segunda-feira, 28 de novembro de 2016

A PARAÍBA EM RUÍNAS (A CAPELA DE SANT'ANA DO GARGAÚ)



Por: Juvandi Santos, Raquel Roldan e Laura Goes


Forte Velho

Recentemente visitamos no litoral paraibano lugares que ainda guardam um pouco da história recente do Estado: As ruínas do antigo Forte de São Filipe e São Thiago (também conhecido por Forte Velho) e as ruínas da Capela de Nossa Senhora de Sant'Ana do Gargaú.

No caso de Forte Velho, os estudos visam a uma tese de Pós-Doutoramento em andamento juto à Universidade de Coimbra, onde estamos a localizar os redutos militares da Paraíba Colonial. Ainda em relação aos redutos, mais dois importantes trabalhos estão sendo desenvolvidos: um que estuda a estratégia militar portuguesa ao edificar esses redutos e o outro o solo arqueológico desses redutos.

Com relação à Capela de Santa'Ana, ainda não faz parte de nenhuma atividade de pesquisa. Essa Capela foi encontrada pela equipe (Eu, Raquel e Laura Góes) quando de atividades de prospecções no litoral em busca dos redutos militares e missioneiros (outra importante pesquisa em andamento com financiamento do CNPQ).

O que chamou atenção da equipe em relação à Capela foi sua grandiosidade e beleza arquitetônica e suntuosa obra de engenharia colonial. Rapidamente realizamos algumas imagens e fizemos uma rápida prospecção de superfície, no que identificamos uma grande quantidade de material arqueológico histórico (sem coletar nenhum fragmento).

Capela de Nossa Senhora de Sant'Ana do Gargaú

Essa capela em estilo Barroco apresenta um perfil (modenatura) singular, é considerada como apresentando excelente cantaria e é a melhor capela de engenhos coloniais da Paraíba. Sua primeira construção é atribuída a Ambrósio Fernandes Brandão, senhor de engenho das primeiras décadas do século XVII (1613). Um dos traços mais sublimes da Capela talvez seja o brasão na fachada que alguns autores atribuíram à família de Duarte Gomes da Silveira, morto em 1644. Mas não existe dado que comprove tal fato. A capela atual em estilo Barroco data de meados do século XVIII.

Querelas a parte a quem pertence o brasão, sabe-se que essa capela foi visitada por D. Pedro II e sua gente quando por ali passou e se hospedou no Engenho São João.

Verificamos, rapidamente, tratar-se de um exemplar arquitetônico importantíssimo para a Paraíba, mas não sabemos até quando essa parte viva de nossa história mais recente ainda continuará de pé, pois as grossas paredes estão rachadas, parte do telhado veio ao chão, o mato cresce em seu entorno e o descaso governamental em preservar o monumento aos poucos vai apagando sua história.

Read more...

quarta-feira, 27 de julho de 2016

I Colóquio sobre Arqueologia


Read more...

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Lançamento do Guia de Boas Práticas Ambientais na Mineração de Calcário em Áreas Cársticas



Read more...

quinta-feira, 24 de março de 2016

Artigo aponta vandalismo em cavernas da Paraíba


A publicação SBE Notícias Nº334, de fevereiro de 2016, traz como destaque trabalho apresentado pelos pesquisadores Juvandi de Souza Santos e Thomas Bruno Oliveira no 33º Congresso Brasileiro de Espeleologia com o título: Gruta do Caboclo: patrimônio arqueológico vandalizado na Paraíba. "os autores Juvandi de souza Santos (SBE 1228) e Thomas B. de Oliveira (SBE 1707) tratam do vandalismo do sítio arqueológico Gruta do Caboclo, no município de Algodão de Jandaíra-Paraíba, um patrimônio espeleológico e arqueológico que é exemplo no que se refere à destruição. São inscrições rupestres e sepultamentos que testemunham a ocupação pretérita na Paraíba".

Read more...

Endereço

Antiga Faculdade de Administração da UEPB, Av. Getúlio Vargas, S/N, 2º andar (por trás dos Correios), Campina Grande-PB

Contato

Prof. Juvandi de Sousa Santos
juvandi@terra.com.br

Atualizações:
Thomas Bruno Oliveira (thomasarqueologia@gmail.com)

Acessos

  © Grupo Paraíba de Espeleologia

Back to TOP